01 de Maio

As lembranças de Rodney

Todas as vezes que Valentina me chama para brincar de boneca... eu me lembro do meu amigo Rodney.
Nós nem éramos tão próximos assim, mas fomos ficando, com o passar dos anos.

E uma das coisas que mais admirava no filho do meio de Renato e Lizete Andrade, meus amigos duma vida, muito queridos, de Mossoró, era o fato de, sempre, todas as vezes que chegava do trabalho, fosse o dia que fosse, cansado como estivesse... ia jogar uma bolinha com seus dois meninos lindos.

Eu sempre achei essa história emocionalmente. E depois de pai, percebi o quanto é importante brincar com os nossos filhos, escutá-los, ler para eles, ser pai.
Por isso, todas as vezes que a minha pequena me chama para brincar de boneca, mesmo absurdamente cansado, mesmo atarefado, festas, site, o mundo desabando sobre a minha cabeça eu... paro!
E monto casinha, visto Barbie, coloco American Girl para dormir. 

Já já tudo isso vai passar.
E, Tenho certeza, até de brincar de bonecas eu sentirei saudade.
Esse tempo, essa idade que não volta mais.
Já não consigo pegar minha pequena no colo, quando conosco dorme, por maior que seja a cama, amanhecemos quebrados.
Mas ainda assim tê-la perto da gente é um consolo para o nosso coração.

Rodney nos deixou vai fazer 10 anos, anos.
Faleceu num acidente do trabalho para casa - e nunca mais pode jogar bolas com seus pequeninos. 
Que estão crescendo jovens bons, cheios de Rodney no coração, família linda que têm.

Por isso, quantas vezes Valentina me chamar, tudo que estiver fazendo eu vou largar... E vou brincar de boneca assim.
E cada vez que isso acontece, é como, também, eu tivesse homenageando Rodney, homenageando a sua história, homenageando os seus filhos e lembrando do legado que ele deixou para o meu coração... de como é lindo, lúdico e arrebatador ser pai.

Voltar